12/01/2018

Leviossa: um sonho transformado em realidade

A colunista de moda da Evip lançou no mês de outubro, em Chiapetta, sua coleção própria – Leviossa. 
Saiba um pouco dessa história cheia de garra e determinação!
POR MAIRA KEMPF

 

A moda está em todo o lugar e para quem pensa que ela vem dos grandes centros, alguns exemplos locais vêm desconstruindo essa crença. Aqui pertinho de nós, em Chiapetta, a colunista de moda Taiza Schmitz lançou, no último dia 14 de outubro, sua marca própria: Leviossa.

Em uma recepção na residência de sua família, Taiza recebeu familiares e amigos e apresentou suas produções. A realização de um sonho que surgiu quando ela ainda era criança, aos quatro anos. 

- Pegava os trapos da oficina do meu pai e descosturava para fazer roupas para bonecas. Quando minha mãe ia a alguma costureira, eu ficava incomodando para ela pedir retalhos de tecidos para mim. Eu fazia uma bagunça na mesa da cozinha, no chão da sala, no escritório do meu pai. Pegava agulhas escondida de minha mãe. A tesoura era de cortar papel (sem ponta), porque ela não deixava a de tecido ao meu alcance... Aliado a essas travessuras, eu comecei desenvolver a arte de desenhar quando entrei para escola - rabiscava modelos para as amigas. 

Desde criança, suas ações refletiam seu sonho. - Certa vez, na minha turma, fizemos um museu de roupas na escola. Além disso, eu e minhas amigas de infância saímos na rua com figurinos. 

Apesar de já levar suas vontades para a rua, era em casa que ela demonstrava sua paixão. - Eu sempre amei a moda, as roupas, os acessórios, a beleza em cada detalhe. E também, sempre me virava com o que tinha, improvisava e criava um meio de dar certo, os trapos de limpar graxa de oficina do meu pai que o digam. 

 

Quando o sonho virou profissão!

O tempo foi passando e essa paixão foi aumentando e mostrando que esse era realmente o caminho que ela queria seguir. Foi então que chegou a hora de escolher uma formação - a faculdade. Naquela época, os cursos de Designer em Moda mais próximos ficavam em Canoas ou em Florianópolis. Mas, quando é para ser, o destino dá um empurrãozinho, não é mesmo?! Foi então que, na mesma época, sua irmã passou em um mestrado em engenharia, em Florianópolis. Nessa viagem, Taiza, com 17 anos, embarcou e por lá pôde realizar seu sonho de infância, estudar moda. 

- Foi uma mudança bem radical na minha vida e marcou bastante ficar longe dos amigos e da família, me fez amadurecer, ganhar responsabilidades. Minha irmã ficou um ano morando comigo e logo conseguiu emprego em Porto Alegre. Fiquei sozinha, morando em uma capital - bem diferente do que eu era acostumada. Tudo era diferente: a cultura, as pessoas... A cidade então nem se fala, e eu fui me adaptando aos poucos. Conhecendo pessoas que eram como família para mim, já que a minha estava tão longe. Foi lá, inclusive, que Taiza formou família, conheceu o homem que hoje é seu marido. 

Mas todas as dificuldades enfrentadas pela jovem que saiu de casa para estudar eram amenizadas a cada aula, a cada novo aprendizado, afinal, ela estava fazendo o que gostava. Essas vivências e o amadurecimento ainda fizeram Taiza escolher cursar mais uma faculdade – Pedagogia. 
- A faculdade de Design em Moda foi um sonho, pois eu amava todas as matérias, para mim era uma diversão cursar. Também cursei Pedagogia ao mesmo tempo; de manhã ia para uma universidade e de noite ia para outra... Era muito trabalho, mas eu gostava, aprendi muito com tudo isso. Entre muitas histórias, me formei nos dois cursos.

 

Superando medos em busca de sonhos

Depois das duas formaturas, veio o casamento e o retorno para Chiapetta. - A minha volta foi depois de sete anos em Florianópolis, eu me casei em 2015 e em 2016 nos mudamos para Chiapetta. Estávamos na época da crise, Florianópolis estava saturada, eu trabalhava como professora e meu marido como projetista. Eu sentia muita falta da minha família, já havia me formado, queríamos fazer alguma coisa a respeito e nos mudamos. Foi uma decisão bem difícil, corajosa, mas deu tudo certo, graças a Deus.

Com o retorno para Chiapetta, o sonho de lançar a própria marca reacendeu, porém, além da determinação, Taiza precisava de mais conhecimento na área comercial, e foi isso que ela fez, buscou, estudou, superou os medos, registrou a marca e abriu a empresa. O primeiro passo estava dado, depois, foi só externar toda a inspiração e desenvolver a coleção kunoichi. 

 

“Que todas as pessoas se sintam magicamente belas”

“A Leviossa foi inspirada em um feitiço de levitação da obra literária de J.K Rowling, Harry Potter: chamado Wingardium Leviosa. Batizei a marca com esse nome para que quem vestisse a roupa se sentisse levitando, flutuando, se sentisse mágica, poderosa, capaz de fazer qualquer coisa que queira. Eu quero que todas as pessoas que vistam se sintam magicamente belas. E esse sempre foi o meu intuito com a marca, quero poder passar esse conceito para as pessoas.  E além disso, sempre fui muito fã da obra, gosto muito de ler e essa é uma das minhas histórias favoritas”, contou a designer.

Sobre o tema da sua primeira coleção, Taiza explicou que Kunoichi significa ninja mulher. “Esse tema surgiu com a tendência oriental muito presente na moda e até no nosso life-style em busca de outras culturas. E kunoichis eram ninjas espiãs, que ninguém notava pelo fato de serem mulheres, tidas como sexo frágil, elas eram consideradas como elementos surpresas, sempre conseguiam completar suas missões”. 

Uma coleção contemporânea, moderna, com peças para mulheres fortes, determinadas, empoderadas. Esse que é um dos objetivos propostos por Taiza com a escolha do tema – “dar voz ao empodeiramento feminino: quantas de nós somos desconsideradas só pelo fato de sermos mulheres, acontece que podemos fazer o que quisermos não importando o nosso sexo, pois não somos frágeis” destacou.

Apesar de o lançamento ser recente, com o seguinte mantra “um passo de cada vez e você sempre saberá para onde ir” Taiza já pensa no futuro - Consolidar a Leviossa e quem sabe expandir. 

 

 

Pessoas que fizeram a diferença!

Entre os agradecimentos, Taiza é enfática ao citar primeiramente Deus, por todas as bênçãos e pessoas incríveis postas em sua vida. Dentre elas, as fundamentais: “Mãe Clair; Pai Lauro; Esposo Gustavo; Irmãos Douglas e Anelise; e Cunhados Catidia e Mauro”. Também cita com carinho toda a família que sempre a apoiou, amigas e amigos que sempre a incentivaram, a Revista Evip que sempre a acompanhou. “Tem tantas pessoas que se fizeram presentes nesses momentos de construção da marca, que se eu não cito aqui, saibam que estão citadas no meu coração. Muito Obrigada!”